A inserção externa é fundamental para sair da crise

Publicado em 22/02/2016 por Gazeta do Povo

A redução das desigualdades econômicas, sociais e regionais com sustentabilidade se dá a partir da valorização da diversidade cultural, do pleno uso dos potenciais de desenvolvimento das regiões e da inserção competitiva externa. Isso é o que busca o Fundo para a Convergência Estrutural e Fortalecimento Institucional do Mercosul (Focem) e o Mercosul Cultural. Segundo as professoras Nádia de Araújo e Carolina Noronha, a união de países em nível de desenvolvimento divergente tende a gerar menos negócios, menos trocas de informações, menos empregos e menos circulação de serviços e pessoas, o que enfraquece a sua influência como um todo e reduz sensivelmente os ganhos financeiros que poderiam vir a ser auferidos.

O fato é que o Mercosul chega aos 20 anos com dificuldade de fomentar o livre comércio e a união aduaneira de seus membros. O Focem surgiu em 2004 para ajudar a superar esses desafios a partir de um fundo composto por contribuições não reembolsáveis que totalizam US$ 100 milhões por ano. A segunda ponte que liga o Paraguai ao Brasil, via Presidente Franco, no Alto Paraná, será financiada pelo Focem. O investimento é de US$ 172 milhões. Além de melhorar o congestionamento do tráfego na Ponte da Amizade, por onde passam cerca de 35 mil veículos por dia, vai facilitar o desenvolvimento da região.

O grande problema na integração cultural é a barreira da língua, porque o brasileiro não tem hábito de aprender outros idiomas

?

O Focem financia e apoia 25 companhias de pequeno e médio porte do Grande ABC. O projeto Adensamento e Complementação Automotiva no âmbito do Mercosul foi elaborado pelo Brasil com o objetivo principal de acelerar o processo de integração e de explorar efetivamente a complementaridade das economias dos quatro países, contribuindo para o tratamento das assimetrias econômicas existentes na região através de quatro focos estratégicos: competitividade de fornecedores; acesso a oportunidades de negócios; difusão tecnológica; e gestão e monitoramento do projeto.

Como não existe bloco regional que possa se pautar somente por questões econômicas e sociais, uma conquista importante foi o Mercosul Cultural, em 2010, criado com o objetivo de financiar projetos e programas que fomentem a criação, circulação, promoção, proteção e divulgação de bens, serviços e da diversidade das expressões culturais que contribuam para o reforço do processo de integração. O grande problema nesta integração é a barreira da língua, porque no Brasil, a maior economia do bloco, não há o hábito de aprender outros idiomas. Segundo a deputada Dorinha Rezende, relatora do Projeto de Lei 3.321/12, que torna obrigatório o ensino da língua espanhola nas escolas, ainda temos muito a avançar em termos de docentes qualificados, equipamentos, laboratórios e tecnologias educacionais. Com este argumento, ela conseguiu convencer os deputados a rejeitar o projeto.

O pesquisador Hugo Achugar destaca que os desafios civilizadores do presente e a tensão entre a globalização e o bairrismo deverão modelar as identidades culturais de cada um dos países do Mercosul. Não há crescimento sem humildade: temos de admitir que falta conhecimento e inteligência para lidar com a imensidão de recursos naturais. Todas as culturas têm vantagens e desvantagens e, portanto, na busca de resultados mais efetivos e sustentáveis, o governo e a sociedade devem procurar um processo de aprendizado por comparação e colaboração com outros países mais inteligentes.

Cristiano Trindade de Angelis, PhD em Gestão de Projetos, é autor de "Gestión por Inteligências"