Leitora critica alterações em leis ambientais pela bancada ruralista

Publicado em 15/06/2017 por Folha de S. Paulo Online

Publicidade

MEIO AMBIENTE

Fica patente que a bancada ruralista se aproveita do momento de tamanha fragilidade nacional para fazer valer seus interesses escusos, submetendo modificações em leis de proteção das nossas florestas, cuja defesa não tem obtido sucesso, haja vista as sistemáticas investidas desses latifundiários que hoje ocupam cadeiras no Legislativo. Esperar que o presidente vete tais alterações pode ser mais uma fonte de decepção.

INÊS VIEIRA LOPES (Campinas, SP)

*

A reportagem "Região do Descobrimento é a campeã de desmatamento, mostra relatório" equivocadamente tal fenômeno ao eucalipto e sua indústria. Esses plantios são licenciados e certificados por órgãos internacionais, que não permitem a conversão de áreas naturais (desmatamento). As imagens de eucaliptos divulgadas mostram a técnica de mosaicos, que protege ecossistemas naturais, estoca carbono e mantém a qualidade do solo e água. Essas empresas já restauraram 11 mil hectares com espécies nativas no sul da Bahia.

ELIZABETH DE CARVALHAES, presidente-executiva da Ibá (São Paulo, SP)

-

PSDB NO GOVERNO

Fico impressionado de ver como um editorial pode discorrer sobre o posicionamento do PSDB ao resolver permanecer no governo, citar todo tipo de interesse e não tocar, nem de passagem, no ponto de que o partido pode ter agido pelo interesse nacional. Mesmo que fosse para argumentar em contrário. A palavra Brasil não aparece no texto, nem o fato de que o governo capitaneia as reformas e abandoná-lo agora enfraqueceria ao extremo essas propostas.

MANOEL TERRA VERDI (Fernandópolis, SP)

*

O PSDB, de ator principal, virou coadjuvante. Tornou-se o principal partido de aluguel do país. Mas, no país da piada pronta, como diz José Simão, isso não é novidade.

GENY KALIL SALLES (Barbacena, MG)

*

Parabenizo Miguel Reale Jr. pela sua atitude cívica de deixar o PSDB após quase 30 anos de militância. Fico pasmo em saber que um partido que sempre se posicionou contra a corrupção agora fica em silêncio, em cima do muro. Não votarei em nenhum candidato do partido e convido todos os eleitores responsáveis a fazer o mesmo. Quero deixar também meu apoio à Lava Jato. É um trabalho jurídico que merece todo o apoio do cidadão de bem.

RAYMUNDO MEDEIROS (São Paulo, SP)

-

STF

Ao acionar quatro integrantes do STF, conforme noticiou a coluna Painel, o ministro da Justiça, Torquato Jardim, o fez por meio dos instrumentos legitimados constitucionalmente (direito de petição) ou o fez por meios escusos, o chamado "trâmite nos tribunais"? No segundo caso, fica mais uma vez a impressão de que regredimos ao clientelismo que nos é tão prejudicial.

JOÃO PEDRO CARVALHO GARCIA DE LIMA (Belo Horizonte, MG)

-

COLUNISTAS

É triste, mas tenho que concordar com cada raciocínio que o colunista Marcelo Coelho relata em seu artigo. Poucos são os que estão preocupados com coerência neste Brasil. Entre pusilânimes e festivos, temos apenas a certeza de que o capital governa.

OSWALDO AUGUSTO DE BARROS (Paulínia, SP)

*

Estou com Marcelo Coelho, assino embaixo. Estamos todos desrespeitados, abandonados, desmoralizados... Estou também com Herman Benjamin, que, com sua calma, explicou-nos o inferno que nos envolve. Estranha Justiça é essa! Vamos pagar o pato!

MARIZA BACCI ZAGO (Atibaia, SP)

-

TENDÊNCIAS/DEBATES

Externo minhas felicitações ao brilhante professor e jornalista Gaudêncio Torquato pelo magistral, oportuno e esclarecedor artigo.

JOÃO FARAH (São Paulo, SP)

*

Bem escrito o artigo de Gaudêncio Torquato. Ao pé do artigo, onde está sua breve identificação (jornalista, ex-professor e consultor político), faltou a informação de que é consultor de Michel Temer. Com essa informação, o artigo tem outra leitura.

RENATO SACCHETTO (São Paulo, SP)

-

MINAS GERAIS

Como vice-governador, no exercício da função de governador, não abri crédito suplementar em favor da Copasa, uma vez que não chancelei o referido decreto. Esclareço que pedi as informações necessárias e confirmei que as fontes de recurso estavam garantidas por dois decretos (118 e 162) assinados pelo governador Pimentel. Os comprovantes foram enviados ao procurador de justiça Waldemar A. de Arimatéia. Além disso, a averiguação no âmbito da representação que foi formulada por parlamentares, bem como o seu devido registro e processamento pelo MP-MG, foi executada, ao contrário do que afirma a reportagem "Inspeção vê falhas e favorecimento no Ministério Público de Minas".

ANTÔNIO ANDRADE, vice-governador de Minas Gerais (Belo Horizonte, MG)

*

RESPOSTA DO JORNALISTA FREDERICO VASCONCELOS- A Corregedoria constatou que o MP não havia instaurado procedimento, não registrara a representação e aguardava informação do Tribunal de Contas. Posteriormente, o MP informou que o expediente foi convertido em procedimento preparatório e a manifestação do TCE foi juntada aos autos em 25 de maio.

-

PRAZO DE VALIDADE

Sobre o ocorrido, lembramos que a visita aconteceu em horário de trocas de equipe, justamente quando retiram os itens do dia anterior, todos devidamente etiquetados e prontos para serem descartados, e os produtos que estavam abertos eram para consumo imediato. O mesmo vale para a colocação do cardápio na entrada. Estamos à disposição para apresentar em detalhes a qualidade e respeito ao ingrediente e atendimento que tornam nossa casa reconhecida há mais de seis décadas.

FRANCISCO BUONERBA, sócio-proprietário do restaurante Jardim de Napoli (São Paulo, SP)

-

PARTICIPAÇÃO

Os leitores podem colaborar com o conteúdo da Folha enviando notícias, fotos e vídeos (de acontecimentos ou comentários) que sejam relevantes no Brasil e no mundo. Para isso, basta acessar Envie sua Notícia ou enviar mensagem para leitor@grupofolha.com.br