Leitores comentam artigo de Ayres Britto e reportagem sobre Bolsonaro

Publicado em 19/06/2017 por Folha de S. Paulo Online

Publicidade

DENÚNCIA CONTRA TEMER

A informação de que aliados podem esvaziar a sessão da Câmara que vai analisar a denúncia contra o ainda presidente Michel Temer é um fato preocupante. Depois dos ministros do TSE, que acobertaram algumas das acusações, agora é o Congresso que age com a mesma perspectiva. De forma sucinta, os três Poderes estão se colocando no mesmo nível em termos de comportamento negativo. A conclusão não pode ser outra: precisamos de diretas já! E que haja uma grande renovação.

URIEL VILLAS BOAS (Santos, SP)

*

Eu não posso defender nem condenar o presidente Michel Temer porque não tenho comprovações legais e técnicas para isso. Porém me despertou muita curiosidade o ataque dos irmãos Batista ao atual presidente. Afinal, em que governo a JBS conseguiu os bilhões arrancados do BNDES que fizeram essa empresa crescer vertiginosamente à custa dos contribuintes?

BENONE AUGUSTO DE PAIVA (São Paulo, SP)

-

CRISE POLÍTICA

Sobre a entrevista com o ex-presidente da OAB Marcello Lavenère, o país sempre viveu isso. O Judiciário, especialmente cortes superiores, sempre tomou decisões a favor das classes políticas e jurídicas, salvando também seus pares.

OTAVIO DE QUEIROZ (São Paulo, SP)

*

As confissões dos grandes empresários na Lava Jato demonstram claramente que não é mais possível que continuem a existir os atuais grandes partidos políticos. É necessário cassar o registro de todas as siglas que participaram dos crimes para que haja eleições honestas.

RADOICO CÂMARA GUIMARÃES (São Paulo, SP)

*

A crise no Brasil não tem data para acabar. Até que acabe, ela continuará crescendo, como vem ocorrendo desde 2014. Todavia já se sabe o que pode fazer com que ela termine: um novo partido cuja liderança reúna honestidade, competência, credibilidade, patriotismo e apoio popular. Se isso não ocorrer a tempo de participar da eleição de 2018, a solução ficará para 2022.

JORGE ALBERTO NURKIN (São Paulo, SP)

-

JAIR BOLSONARO

Infelizmente, quem turbina a popularidade deste elemento é o resultado da gestão desastrada da esquerda.

PETER JANOS WECHSLER (São Paulo, SP)

*

Bolsonaro veio para confundir e bagunçar os políticos que nem podem mais sair às ruas, pois são execrados. Não dá para visualizar nada nem para 2017, quanto mais para 2018.

OSVALDO LUIZ RAMOS (Campinas, SP)

-

CARLOS AYRES BRITTO

Discorrer sobre ética nunca é demais. É preciso que essa temática seja mais frequente em nossas vidas. Precisamos fomentar a cultura de respeito ao que é minimamente certo em prol do bem coletivo, fazendo da consciência nosso guia, pois assim estaremos dando um passo firme para levarmos nosso país ao local de destaque que merece. Muito oportuno o texto do eminente jurista Carlos Ayres Britto.

EVERTON AMARAL (Natal, RN)

*

É sempre um regalo para o espírito o privilégio de ler algo escrito pelo nosso grande jurista Ayres Britto. O seu brilhante artigo, neste domingo, além de profundo e poético, vai ao cerne dos desacertos e desvios que ora enfrentamos na condução do nosso país. Belíssimo texto! Deu novo brilho a minha alma já tão desbotada pela descrença e desesperança.

JORIA TOSCANO DANTAS AUMOND (São Paulo, SP)

*

O artigo de Carlos Ayres Britto é para ser afixado em todas as repartições públicas deste país. Pena que poucos terão a oportunidade de lê-lo. Se pudessem fazê-lo a cada dia de trabalho, quem sabe a "serpente de três cabeças" não morreria pouco a pouco.

ANA CLAUDIA GALVÃO GALRÃO (São João del-Rei, MG)

*

A serenidade, a pessoalidade e a personalidade marcantes do texto me permitiriam reconhecer o dono mesmo sem a assinatura. Parabéns pelas colocações, grande "aríete" das barreiras da injustiça e da imoralidade.

LEANDRO ÂNGELO SILVA LIMA (São Paulo, SP)

-

CPTM

Em relação ao editorial "Fora dos trilhos", a CPTM reitera que a licitação para manutenção dos trens foi realizada respeitando rigorosamente a Lei 8666 e que não houve superfaturamento, como será demonstrado em juízo. Os investimentos do governo do Estado realizados nos últimos 15 anos na CPTM, para aquisição de novos trens, construção de novas estações e modernização das mais antigas, proporcionou um salto de qualidade no serviço prestado pela companhia, que passou dos 700 mil para quase 3 milhões de usuários por dia.

CARLOS ALBERTO SILVA, coordenador de comunicação da STM (São Paulo, SP)

*

A Folha usa uma improcedente denúncia do Ministério Público para achincalhar o sistema de transporte metroferroviário paulista. O MP comparou indevidamente valores de contratos da CPTM cuja regularidade será demonstrada em juízo. São Paulo é o único Estado que, mesmo na crise, está tocando obras em quatro linhas de metrô e uma da CPTM. Até o fim de 2018, vamos entregar mais 25 estações.

EUZI DOGNANI, coordenadora de imprensa do governo do Estado de São Paulo (São Paulo, SP)

-

PSICANÁLISE

Freud veio para esclarecer ou para subverter a ordem natural das coisas? Nos tempos primórdios, Deus (a religião) ocupava o lugar central. Logo após vieram as descobertas científicas. O homem desbancou crenças sobrenaturais e apossou-se desse lugar. No início do século passado, com o surgimento das teorias freudianas, o inconsciente veio deslocar o homem dele. Não somos senhores nem da nossa própria fala. Falamos sempre mais ou sempre menos, mas nunca o que realmente deveríamos.

ANETE ARAUJO GUEDES (Belo Horizonte, MG)

-

PARTICIPAÇÃO

Os leitores podem colaborar com o conteúdo da Folha enviando notícias, fotos e vídeos (de acontecimentos ou comentários) que sejam relevantes no Brasil e no mundo. Para isso, basta acessar Envie sua Notícia ou enviar mensagem para leitor@grupofolha.com.br