Projeto "Cintra Vivo" mobiliza centenas de estudantes e moradores

Publicado em 12/06/2017 por Gazeta Norte Mineira

Os alunos foram às ruas para orientar os moradores, como mostra o destaque

Os moradores do bairro Cintra realizaram nesse sábado mais um protesto para cobrar da Prefeitura de Montes Claros a urbanização do Córrego Cintra e principalmente de uma ponte na rua Monte Plano, para interligar os bairros Santa Rita e Cintra. Os alunos das escolas Armênio Veloso, Simeão Ribeiro e Vereador Francisco Tófani realizaram várias atividades e percorreram toda extensão do córrego para conscientizarem a população a não jogarem lixo no local. Mesmo com o córrego degradado, ainda foi possível encontrar vida no seu leito, como cágados, peixes e garças. Por sinal, duas garças sobrevoaram o local onde um trator da Prefeitura realizava a limpeza do leito, o desassoreamento.

A abertura dos trabalhos na escola Simeão Ribeiro
(Fotos: Girleno Alencar)

A principal reivindicação dos moradores é a retomada das obras da ponte. O serviço foi iniciado no ano passado, orçado em R$ 212.760,55, mas depois foi paralisado, com a construtora Giorgio Vasari deixando o canteiro de obras. Uma passarela que estava no local foi retirada, para ser construída a ponte de alvenaria. Como a Prefeitura suspendeu os serviços, os moradores ficaram revoltados e colocaram por conta a passarela em outro local. A dona de casa Terezinha Antunes Freitas mora no local há 40 anos e espera ver o serviço concluído. A sua irmã Neide aproveitou a presença do secretário municipal de Serviços Urbanos, Vinicius Versiane, para cobrar a execução da obra. Ele prometeu conversar com o secretário de infraestrutura, Guilherme Guimarães.

Na abertura dos trabalhos na escola Simeão Ribeiro Santos, a diretora Gilsene Gonçalves de Oliveira explicou que a idéia de realizar o projeto "Cintra Vivo" começou quando a escola iniciou as discussões sobre as comemorações dos seus 60 anos de criação e os alunos e professores decidiram tomar a iniciativa de pedir a limpeza do bairro e ainda do córrego do Cintra. Nesse momento, entrou em ação o Grupo de Ação Solidária, que abraçou a causa e decidiu ampliá-la, envolvendo as outras duas escolas próximas ao Córrego, que são a Armênio Veloso e Vereador Francisco Tófani e ainda os moradores do bairro.

LEIA MAIS | Desenhos retratam córrego 

Um dos problemas constatado pela equipe é a conduta de muitas pessoas de despejarem o lixo no córrego. Nos levantamentos, os alunos encontraram vários tipos de objetos na região, como eletrodomésticos. Eles decidiram criar oficina de trabalho para recuperar esses equipamentos. O lixo orgânico foi transformado em adubo para a horta comunitária da escola. Os pneus foram usados na decoração dos jardins. Foi criado o Grupo Guardião do Córrego, que tem a missão de fiscalizar a preservação dele, evitando que as pessoas joguem lixo. O Grupo de Escoteiros Desbravadores está ajudando nessa tarefa de preservação ambiental.

O coordenador de extensão da Faculdade de Ciência e Tecnologia, Lincon Veloso explicou a importância de preservar o córrego do Cintra e por isso, a sua faculdade estava ajudando nessa tarefa. Ele lembrou que entre os estudantes, poderá sair um prefeito, vereador, médico ou engenheiro, mas com consciência ambiental. Gilson Froes, da Unimontes, afirma que esse tipo de atividade valoriza a escola e que o foco é levar esse tipo de projeto à todas outras escolas da cidade.  O presidente imediato do Lions Clube, Jefferson Tolentino, salientou a relevância das causas ambientais, pois é necessário acreditar em Montes Claros como uma cidade de potencial sustentável.

A horta comunitária montada na escola (Foto: Girleno Alencar)
A ponte que não saiu do papel (Foto: Girleno Alencar)
A população recolocou a passarela para fazer a travessia (Foto: Girleno Alencar)
A estudante Karen Pâmela entrega o panfleto da campanha a Terezinha Antunes de Freitas (Foto: Girleno Alencar)
O secretário Vinicius Versiane foi vistoriar as obras e recebeu apelo da moradora Neide Antunes (Foto: Girleno Alencar)
As alunas Daiane Duarte Martins e Paloma Miranda Matos fizeram desenhos (Foto: Girleno Alencar)
Mateus Soares aprendeu a mexer com Robotica (Foto: Girleno Alencar)
Duas garças sobrevoaram o córrego na hora da manifestação (Foto: Girleno Alencar)