Rússia afirma que aviação síria bombardeou depósito rebelde de substâncias tóxicas

Publicado em 05/04/2017 por O Globo

MOSCOU - A aviação síria bombardeou um "armazém terrorista" com "substâncias tóxicas", anunciou nesta quarta-feira o governo da Rússia, um dia depois do suposto ataque químico na região noroeste da Síria no qual morreram 72 civis, de acordo com o balanço atualizado.

"Segundo os dados objetivos do controle russo do espaço aéreo, a aviação síria bombardeou um grande armazém terrorista perto de Khan Sheikhu", afirma um comunicado divulgado pelo ministério russo da Defesa.

"Era um armazém de produção de bombas, com substâncias tóxicas", completa a nota, que não explica se o bombardeio foi voluntário ou deliberado.

"O arsenal de armas químicas" estava destinado a combatentes no Iraque, afirma o ministério, que considera suas informações "completamente confiáveis e objetivas".

O uso deste arsenal "por terroristas foi provado de modo repetido por organizações internacionais e autoridades oficiais" do Iraque, insiste o governo de Moscou.

O comunicado russo não informa se o regime sírio estava a par da presença de armas químicas e atribuiu a responsabilidade aos "terroristas", que segundo Moscou possuem armas químicas.

De acordo com o balanço atualizado da ONG Observatório Sírio dos Direitos Humanos (OSDH), ao menos 72 civis, incluindo 20 crianças, morreram no ataque aéreo, que provocou convulsões e asfixia.

O bombardeio aconteceu em Khan Sheikhun, um reduto rebelde e jihadista do noroeste da Síria.

A oposição síria acusou o "regime criminoso" de Bashar al-Assad de ter executado o ataque com "obuses" que continham "gás tóxico" e pediu uma investigação imediata do Conselho de Segurança da ONU.

Washington, Londres e Paris também acusaram o governo de Damasco, que nega a autoria do ataque e acusa os rebeldes.