Sem patrocínio, quadrilhas captam recursos para apresentações nas festas juninas

Publicado em 17/06/2017 por O Globo

Assim que acaba a última apresentação de cada ano, em agosto, as quadrilhas juninas da Baixada Fluminense já começam a se preparar para os próximos festejos caipiras. O desafio é conseguir arrecadar recursos para continuar no balancê. O esforço se intensifica às vésperas do campeonato da região, que começa neste sábado.

- Aqui não é Nordeste, então essa cultura de caipira é pouco valorizada. Marcamos com outros componentes e saímos nas ruas para pedir ajuda aos comerciantes. A gente faz isso brincando e se divertindo - conta o estudante Assis Araújo, de 20 anos, que dança há um ano e meio na Quadrilha TiTiTi, no Jardim Primavera, em Duque de Caxias.

O grupo também faz rifas e vende lanches para arrecadar fundos. Segundo o presidente da TiTiTi, Marcos Antônio Ferreira da Silva, de 47, as reuniões quinzenais começam logo depois da última apresentação do ano, em agosto:

- Aí começamos a nos encontrar para ver como levantar recursos. A gente faz bingo, rifa. Nesta semana, venderam até cestinhas de chocolate para ajudar na roupa. Também fazemos nossa feijoada e temos uma barraca na festa junina da comunidade.

Apesar de ter apenas dois anos, a quadrilha É O Amor - que tem nome inspirado na canção de Zezé Di Camargo - passa pelas mesmas dificuldades. Além de fazer feijoada mensal e bingos, o grupo do bairro Pilar vende quentinhas.

- Uma integrante da quadrilha faz a quentinha nos fins de semana e outros componentes saem para rua para divulgar e vender. Também pedimos apoio ao comércio local. Ano passado, conseguimos R$ 2 mil só com comerciantes - conta Juliana Buto, de 29 anos, brincante e primeira-dama da quadrilha, que foi campeã do Baixadão Caxiense ano passado na categoria Roça Adulto.

Ter um patrocínio é o grande sonho das escolas. Marcos Antônio conta que, mesmo com o esforço dos participantes, este ano precisou reduzir o número de apresentações:

- O valor do aluguel de ônibus encareceu muito. Não adianta pagar por uma roupa bonita e não ter uma condução para nos levar até o local de apresentação. Este ano, o número de apresentações diminuiu cerca de 20%.

Mas a quadrilha, que venceu o campeonato Baixadão Caxiense 2016 na categoria Infanto, quer fazer bonito e promete animar o arraiá da região. O concurso 2017 da Federação de Quadrilhas e Arraiás da Baixada Fluminense (Nova Faquabaf) começa hoje.

- O ideal seria o apoio federal, com repasses específicos para o movimento junino e para as secretarias de Cultura de cada município, para que elas pudessem nos dar um suporte, e apoio do governo do estado. Este ano, estamos tendo parceiros como a Escola de Samba Acadêmicos do Grande Rio, que nos emprestou a quadra para realização de ensaios, e outros parceiros anônimos, mas precisamos de uma visibilidade maior. Caso contrário, essa cultura corre o risco de ser extinta - explica o diretor de eventos e marketing da Nova Faquabaf, Carlos Henrique Silva.

Abertura oficial

O campeonato 2017 de quadrilhas da Baixada começa neste sábado na Praça da Apoteose, Vila São Luís, em Duque de Caxias, às 19h. Nos dias 23, 24 e 25, haverá apresentações na Praça de Nova Campinas, Avenida B 1.262. Nos dias 1º e 2 de julho, apresentação na Praça do Pacificador 15.000, no Centro de Caxias, entre a Biblioteca Municipal Leonel Brizola e o Teatro Raul Cortez. Também haverá apresentações na Praça da Ponte Enviesada, próximo ao Colégio Estadual Jardim América, em Heliópolis, Belford Roxo. Nos dias 8 e 9 de julho, as danças serão na quadra da Escola de Samba Acadêmicos do Grande Rio. O endereço é Rua Wallace Soares 5 e 6, no Centro de Caxias.