Temer diz que vai entrar com ações na justiça contra Joesley Batista

Publicado em 18/06/2017 por Jornal Nacional - TV

Michel Temer reagiu à entrevista de Joesley Batista. O presidente divulgou uma nota, em que chama o empresário de mentiroso e diz que vai entrar com ações na justiça contra o delator.

Michel Temer passou o dia na residência oficial: o Palácio do Jaburu. As visitas de aliados políticos só começaram na parte da tarde. Passaram por lá o secretário de governo, ministro Antonio Imbassahy, do PSDB, e também o ministro da Justiça, Torquato Jardim. Primeiro, o Planalto afirmou que Temer não comentaria as declarações de Joesley Batista. Pouco depois mudou de estratégia e divulgou uma extensa nota, subindo o tom contra o empresário

Na nota, o Palácio do Planalto afirmou que, em 2005, o grupo JBS obteve seu primeiro financiamento no BNDES. E que, dois anos depois, alcançou um faturamento de R$ 4 bilhões.

A nota afirma que, em 2016 o faturamento das empresas da família Batista chegou a R$ 183 bilhões. E que a relação foi construída com governos do passado, muito antes que o presidente Michel Temer chegasse ao Palácio do Planalto.

A nota declara, ainda, que toda essa história de "sucesso" é preservada nos depoimentos e nas entrevistas do senhor Joesley Batista.

O texto prossegue afirmando que os reais parceiros de sua trajetória de pilhagens, os seus verdadeiros contatos de seu submundo, as conversas realmente comprometedoras com os sicários que o acompanhavam, os grandes tentáculos da organização criminosa que ele ajudou a forjar ficam em segundo plano, estrategicamente protegidos.

A nota do Planalto segue afirmando que, ao bater às portas do Palácio do Jaburu, depois de dez meses do governo Michel Temer, o senhor Joesley Batista disse que não se encontrava havia mais de dez meses com o presidente. Que reclamou do Ministério da Fazenda, do Cade, da Receita Federal, da Comissão de Valores Mobiliários, do Banco Central e do BNDES. Que tinha, segundo o próprio relato de Joesley, as portas fechadas na administração federal para seus intentos. E que qualquer pessoa pode ouvir a gravação da conversa na internet para comprová-lo.

A nota afirma ainda que, em relação ao BNDES, é preciso lembrar que o banco impediu, em outubro de 2016, a transferência de domicílio fiscal do grupo para a Irlanda, um excelente negócio para Joesley, mas péssimo para o contribuinte brasileiro.

A nota também declara que, este fim de semana, em entrevista à revista Época, esse senhor desfia mentiras em série. Que a maior prova das inverdades é a própria gravação que ele apresentou como documento para conseguir o perdão da Justiça e do Ministério Público Federal por crimes que somariam mais de dois mil anos de detenção. E que, em entrevista, Joesley diz que o presidente sempre pede algo a ele nas conversas que tiveram.

A nota relata que não é do feitio do presidente tal comportamento mendicante. Que, quando se encontraram, não se ouve ou se registra nenhum pedido do presidente a ele. E, sim, o contrário. Que era Joesley quem queria resolver seus problemas no governo, e pediu seguidamente. E que não foi atendido antes, muito menos depois.

O Palácio do Planalto declarou ainda que, ao delatar o presidente, em gravação que confessa alguns de seus pequenos delitos, Joesley alcançou o perdão por todos seus crimes. Que, em seguida, cometeu ilegalidades em série no mercado de câmbio brasileiro, comprando US$ 1 bilhão e jogando contra o Real, moeda que financiou seu enriquecimento. Que vendeu ações em alta, dando prejuízo aos acionistas que acreditaram nas suas empresas.

A nota segue afirmando que os fatos elencados demonstram que o senhor Joesley Batista é o bandido notório de maior sucesso na história brasileira. Que conseguiu enriquecer com práticas pelas quais não responderá e mantém hoje seu patrimônio no exterior com o aval da justiça. E que imputa a outros os seus próprios crimes e preserva seus reais sócios. Que obtém perdão pelos seus delitos e ganha prazo de trezentos meses para devolver o dinheiro da corrupção que o tornou bilionário, e com juros subsidiados.

A Secretaria de Comunicação Social da Presidência termina afirmando que o presidente tomará todas medidas cabíveis contra esse senhor. Que, na segunda-feira, serão protocoladas ações civil e penal contra o empresário. Que as mentiras dele serão comprovadas e será buscada a devida reparação financeira pelos danos que causou, não somente à instituição Presidência da República, mas ao Brasil. E que o governo não será impedido de apurar e responsabilizar o senhor Joesley Batista por todos os crimes que praticou, antes e após a delação.

Temer viaja na segunda-feira para Rússia e para Noruega. Ele passa a semana fora. Só volta ao Brasil no próximo sábado. O presidente disse para auxiliares que tem pressa. Que pretende entrar com as ações contra Joesley Batista na segunda de manhã, antes de embarque para o exterior. O presidente usou feriado prolongado para conversar com aliados sobre os interesses do governo no legislativo e sobre os caminhos para a defesa dele no Supremo Tribunal Federal, onde é alvo de inquérito por causa delação da JBS.